quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Como armazenar seus páletes incompletos

Normalmente quando dimensiono um armazém, e considerando que exista uma população importante de páletes baixos (porém completos), procuro estabelecer a melhor relação entre a quantidade de posições para páletes altos e páletes baixos, de modo a garantir a melhor ocupação volumétrica do prédio.

A relação entre posições altas e baixas deve ser criteriosamente analisada porque embora, de modo geral, se considere o custo de uma posição pálete no armazém como único, 2 posições páletes baixas sempre custarão mais do que uma única posição alta, dado que teremos que considerar o espaço das longarinas adicionais e do espaço livre para livrar o pálete da estrutura.
E no armazém, espaço = R$
!

No entanto, é praticamente impossível ter um armazém em que não haja posições ocupadas por páletes incompletos, e isso deve ser um dos pontos considerados no planejamento da ocupação e nos algoritmos do sistema de gestão (WMS).

Porém, quando estamos no pico de utilização do armazém, esses espaços mal ocupados deixam de ser estatística e realmente provocam um impacto importante.

No número de Novembro da “Distribution Center Management” há um artigo interessante assinado por Jack Kuchta, presidente da Jack Kuchta LLC, sobre o uso de áreas específicas para armazenagem de páletes incompletos.

Para garantir a melhor solução, o Sr. Kuchta sugere que se compare o custo da realocação do material vs o custo da ineficiência volumétrica que os páletes incompletos provocam.

E para isso considera 3 pontos: O tempo de giro do pálete incompleto; O custo de realocação, O custo de uma posição pálete.

Considerando essas variáveis, quando o custo de armazenagem do pálete incompleto excede o custo da realocação, é hora de se considerar uma área específica para os páletes incompletos ou, quando operacionalmente e gerencialmente seja possível, juntar dois ou mais páletes incompletos (e isso exige mão de obra e cuidados adicionais de controle).

Só que nem sempre o assunto é resolvido simplesmente pela realocação de páletes na área de armazenagem, ou da transferência pura e simples dos páletes incompletos para a área de picking.

O uso de prateleiras, racks, ou sistemas mais complexos para armazenar caixas soltas também poderão ser considerados, mas cada um deles trará suas próprias vantagens e desvantagens no uso do espaço, nos controles, e na flexibilidade da operação.

O que se conclui disso é que qualquer das escolhas exigirá o estabelecimento de compromissos entre eficiência volumétrica e eficiência da mão de obra, bem como entre custos operacionais e custos de capital.

Portanto, não escolha uma alternativa sem antes considerar os impactos sistêmicos de sua decisão. Para isso, poderá ser necessária a colaboração de um especialista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário