segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

O que é ser um bom analista?

Minhas postagens são principalmente sobre logística, e boas práticas que levam ao aumento do desempenho e produtividade. Mas creio que o que vai escrito a seguir vale para qualquer ofício.

Uma pergunta recorrente que sempre me fazem é sobre quais são as características de um bom analista de processos - abrangendo nisso tempos e métodos, processos, logística, etc...

Minha visão:
Um bom analista tem antes de mais nada, que ser um bom observador e não se deixar influenciar pela aparência das operações.  Sempre terá uma coisinha que é possível simplificar, e com isso melhorar!

Essa é uma das características que eu mais prezo no pessoal que trabalha comigo. A criatividade e a capacidade de simplificar.

Mas há coisas a acrescentar: Como diria o inesquecível poetinha Vinicius de Morais, beleza é fundamental, e isso não vale só para as garotas de Ipanema, mas também para métodos de trabalho, equações matemáticas, instrumentos e veículos.

Meu pai, que era um carpinteiro naval autodidata até a raiz dos cabelos, sempre me dizia que um barco feio é um barco ineficiente. E mesmo sem saber definir hidrodinâmica, quanto mais resolver uma equação sequer, seus barcos e lanchas eram elogiados pelo desenho e desempenho.


Há sempre um jeito mais simples
Também me lembro de um professor que me dizia que “Se está complicado de compreender ou de fazer, pare e pense porque há uma forma mais simples de solucionar a questão”.

Parafraseando eu digo que um método de trabalho complicado é um método de trabalho ineficiente.  E acrescento “A excelência é simples!”.  E creio tanto nisso que acabei adotando essa frase como meu mantra empresarial.

Neste final de semana assisti novamente o vídeo de uma palestra do TED com  jornalista David Pogue com o título “Simplicidade vende”.  Apesar de ter sido postada em 2006 e o foco ser tecnologia da informação, vale a pena assisti-la pelos exemplos.

Também indico para quem gostou do tema, que leiam o livro "As leis da simplicidade" de John Maeda. A décima lei diz: "Simplicidade diz respeito à eliminar o óbvio e acrescentar o significante"

Experimentem e vejam quantas coisas simples estão esperando para dar as caras debaixo de cada pilha de coisas complicadas.  Os benefícios da simplificação são indolores e imediatos.

Até a próxima postagem.

Um comentário: