quinta-feira, 21 de julho de 2016

Oportunidades de melhoria no slotting*

Na postagem que fiz em 08 de Junho, sobre os riscos de aumentar a variedade de itens em seu portfólio, prometi fazer uma postagem à respeito da análise de séries históricas como instrumento para a previsão da demanda. Aqui está ela.

Aviso: A previsão baseada em séries históricas é apenas uma das muitas técnicas quantitativas tratadas na bibliografia sobre o tema e pode ser aplicada sempre que houver um padrão recorrente no comportamento da variável sob                                                                                           análise.

Quantidade ou popularidade?

Um primeiro e necessário esclarecimento, é que na imensa maioria dos casos que já analisei, para localizar os produtos é mais importante que saibamos a quantidade de visitas feitas por endereço/produto, do que propriamente a quantidade que foi coletada em cada visita.  Portanto, é importante que para alocar produtos nos endereços de separação, possamos ter os dados sobre a popularidade, enquanto que para dimensionar o tamanho dos endereços precisaremos ter dados sobre as quantidades movimentadas no mesmo período.

O que eu vejo por aí com muita frequência é a utilização indiscriminada de médias aritméticas como base para fazer os dimensionamentos internos do armazém. Fica claro que sempre que essa série histórica contiver uma certa tendência de aumento ou redução, a média dará um resultado inadequado.  No outro extremo está o dimensionamento pelo pico do período, que eu nem preciso dizer que é uma receita para rasgar dinheiro.

Racionalizando o caminho dos separadores

As previsões de demanda (não importando como são feitas) tem entre outras coisas, o caráter óbvio de permitir o dimensionamento dos endereços dos produtos na área de separação, que é o objeto desta postagem. Mas além disso, devem permitir também que os produtos possam ser dispostos nos endereços mais adequados, de modo a racionalizar o caminho dos separadores.
Essa análise é muito importante nos casos daqueles produtos de forte sazonalidade e que numa determinada estação do ano sejam campeões de venda, enquanto que em outra tenham procura pequena ou nula.

Para corrigir essa distorção e evitar que  produtos sem expectativa de venda no próximo período não fiquem ocupando posições "nobres" em seu layout eu recomendo que o slotting* seja constantemente monitorado e readequado através da análise de seus dados históricos em séries que reproduzam os ciclos sazonais, e que se utilize algum modelo de previsão de demanda.

Que modelo utilizar?

Se você já utiliza um ERP a escolha do modelo dependerá em grande extensão da facilidade de integração com seu sistema.  Se você não usa um sistema desse tipo, ou a integração seja inviável, escolha algo que tenha simplicidade suficiente para ser utilizada através de planilhas Excel, e que trabalhe bem com a variabilidade de seu histórico.

Poderão ser utilizado modelos baseados em técnicas como a Suavização exponencial; Médias Móveis Ponderadas (MMP), ou até mesmo Redes Neurais Artificiais, que trabalham bem os fatores de sazonalidade mas demandam processamento complexo.  Seria desnecessário detalhar aqui os detalhes de cada uma visto que já existem excelentes tutorias gratuitos disponíveis na web.
É preciso lembrar que o ótimo é inimigo do bom e que não existem previsões perfeitas. Minha crença é que deve ser utilizado o modelo mais simples capaz de lhe fornecer previsões razoáveis, o que faria a minha escolha recair sobre um dos modelos de Suavização Exponencial ou MMP.

A suavização exponencial tem a característica de diferenciar os dados recentes, que são mais valorizados, dos mais antigos que influenciam menos no resultado. As médias móveis oferecem resultados mais pobres, entretanto são muito mais simples de calcular e em certos casos oferecem resultados bastante úteis.

Uma vez que tenhamos um banco de dados com a quantidade de visitas de cada endereço, um Mapa de Calor (Heat Map) também é uma ferramenta visual muito útil para identificar onde se concentram as visitas em um dado período.

Tire suas dúvidas

O objetivo desta postagem foi dar uma visão geral sobre o assunto "previsão" que é bastante complexo para ser tratado apenas através das postagens. Se você tem dúvida ou deseja mais esclarecimentos sobre esta postagem ou alguma anterior, não hesite, deixe sua pergunta nos comentários, que terei muita satisfação em respondê-las.

* slotting é o termo que designa a alocação de cada produto no nicho/endereço mais adequado.

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Como garantir a integridade dos produtos durante o transporte - parte 2/2



Na postagem anterior tratamos dos aspectos preparatórios para o carregamento.

Ainda no aspecto da preparação, certifique-se que os meios necessários ao carregamento estão disponíveis e em condições de uso.  Por exemplo: transpaleteiras com a capacidade adequada, os páletes, os lacres, o material de acolchoamento quando necessário, e quando se tratar de caixas soltas, lembre-se de providenciar os meios para que os carregadores não pisem diretamente sobre as caixas.
Cargas perigosas exigem sinalização adequada.

Regras de ouro para a estufagem do veículo:
  1. Distribua o peso da carga uniformemente sobre todo o assoalho do baú ou carroceria.
    O centro de gravidade deve ser o mais baixo possível e tão próximo do centro da área do assoalho quanto possível. A atenção deve ser redobrada quando se está carregando cargas formadas por diversos produtos de volumes e pesos diferentes. Sempre que for possível mantenha juntos os lotes de um mesmo produto ou destinados a um mesmo local.
    O peso também deve ser distribuído de modo a não se concentrar em apenas uma das laterais.
  2. Nunca sobreponha produtos pesados sobre produtos leves.
  3. Nunca sobreponha produtos líquidos ou úmidos sobre produtos secos. As embalagens contendo produtos líquidos deveriam ser sempre estufadas embaixo e sobre uma camada de algum tipo de absorvente como serragem ou estopa para que, no caso de um vazamento, a umidade decorrente ficasse contida e reduzisse os danos aos produtos vizinhos. No entanto, essa prática é muito pouco comum no Brasil.
  4. Mantenha a carga presa principalmente junto à porta através de uma estrutura apropriada feita de sarrafos, ou com elásticos ou cabos. Esse é um cuidado especial com quem vai abrir a porta no destino.
    Calce os espaços entre as embalagens, através de sacos infláveis próprios, ou outro material de preenchimento. Esse é um cuidado essencial aos seus produtos.
  5. O ideal é que a carga não deixe espaços laterais entre as embalagens e as paredes do baú. Se isso acontecer, preencha ou calce para impedir o deslocamento lateral.
  6. Se suas embalagens são auto-suportantes, então empilhe-as canto sobre canto, visto que estes são os pontos de maior resistência vertical. Caso contrário, e principalmente se a carga for composta por diversos produtos, empilhe-as em blocos cruzados.
  7. Veículos carregando produtos perigosos devem ser identificados de acordo com a legislação. Não se esqueça de verificar isso previamente!
  8. Se o centro de gravidade da carga estiver muito distante do centro de gravidade do veículo, não se esqueça de avisar o motorista desse fato.  Faça o mesmo no caso de lateralidade.
  9. Nunca ultrapasse a capacidade de carga do veículo, e tampouco o limite de carga por eixo.
  10. Após fechar a porta do baú, lacre-o, grave o número do lacre e registre-o da maneira apropriada nos documentos de envio.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Como garantir a integridade dos produtos durante o transporte - Parte 1

O cuidado com a integridade dos produtos durante o transporte é fundamental para que seus clientes fiquem satisfeitos e seus custos permaneçam em limiares aceitáveis.

Um dos cuidados fundamentais ao planejar o transporte é conhecer os esforços  a que as cargas estarão sujeitas. Nesta postagem vamos falar resumidamente sobre isso, visto que é um assunto que por si só daria um grande número de postagens. Entretanto, não deixem suas dúvidas dormindo. Escrevam para mim e eu irei respondendo ou tratando do assunto em novas postagens. 

No transporte rodoviário, as acelerações provocadas nos sentidos longitudinal e transversal provocadas pelas curvas, pelas frenagens e arrancadas podem ser altas mas não são as mais importantes. No entanto no sentido vertical, as acelerações causadas por lombadas, buracos, e irregularidades da pista representam cerca de 1,5G podendo mesmo chegar a picos de 6G, lembrando que 1G representa o peso próprio do corpo sob esforço.  
Isso quer dizer que em determinados momentos, uma caixa terá de suportar 6 vezes o seu próprio peso e o das mercadorias empilhadas sobre ela.



Entretanto, só embalagens bem dimensionadas não são suficientes. É preciso que os embarcadores cuidem para que o carregamento de um veículo seja feito de maneira cuidadosa, de modo a garantir que os produtos chegaram íntegros ao destino.

Checklist do veículo

Para começar, vamos iniciar com uma verificação das boas condições do veículo, estabelecendo um checklist que contenha, no mínimo, os seguintes itens:

         Condições gerais do veículo: As condições gerais do veículo estão em conformidade com as regras do CBT e de sua empresa?  
         Estanqueidade: Feche o baú e veja se não vaza luz em nenhum ponto;
         Estado do piso: Plano, íntegro, resistente, sem protuberâncias;
         Limpeza: O baú está sem odores? Não apresenta resíduos de cargas anteriores?
         Obstruções ou pontas de pregos ou parafusos: Não há nenhum ponto no piso ou nas paredes do baú, que possa danificar as embalagens ou ferir alguém?
         Suspensão: A suspensão do veículo está em perfeitas condições (nivelada e alta)?
         Portas: As portas se fecham normalmente?
         Lacre nas portas: Há como lacrar o baú (se conveniente ou necessário)?
         O veículo e/ou baú são apropriados para o(s) destino(s)?
         A origem do veículo e seus documentos foram devidamente verificados?
         Motorista: É habilitado? Está uniformizado?
         Produtos perigosos: Se você vai transportar produtos perigosos, o motorista é capacitado? O veículo tem o kit de segurança adequado aos produtos?

Lembrem-se entretanto, que a checagem das condições dos veículos deve ser muito mais detalhada do que os itens acima. Vale a pena discutir isso com os responsáveis pela frota de sua empresa.

Veículo conferido, vamos aos produtos


         As embalagens estão intactas? (sem amassados, vazamentos, rasgos, etc...)
         As embalagens estão corretamente identificadas?
         Há indicações sobre fragilidade, base da caixa, onde pegar, empilhamento máximo, etc...?
         Os produtos incompatíveis estão devidamente segregados? (por exemplo: aqueles mutuamente contaminantes)
         As quantidades e tipos de produtos a embarcar estão corretamente conferidos e disponíveis?
         Você tem indicações sobre a m³ e o peso de cada caixa a ser embarcada?

E agora faça um plano de estufagem, de modo a garantir que os produtos serão embarcados do modo adequado, o que evitará que sofram danos durante o transporte e o descarregamento:

         A capacidade cúbica do veículo será utilizada ao máximo?  Se não, cuide para que a carga fique fixada firmemente.
         O peso por eixo está sendo respeitado?
         O carregamento está sendo feito na ordem inversa dos descarregamentos, de modo que a conferência e o acesso aos produtos sejam facilitados no momento das entregas?
         Produtos mutuamente incompatíveis estão segregados?
         Produtos pesados, caixas volumosas, produtos líquidos estão na base dos empilhamentos?


Atualmente há software de otimização de cargas disponíveis gratuitamente e online, que auxiliam na elaboração do mapa de carregamento e oferecem o máximo de ocupação para um dado volume do contentor. Apesar de não serem tão sofisticados quanto as versões pagas que dispõem de um leque de funcionalidades adicionais (peso por eixo, formas diferentes de embalagens, etc.), ainda assim permitem uma visão antecipada sobre a quantidade de veículos que será necessária evitando gastos desnecessários com frete.

O próximo passo será o carregamento propriamente dito.  Deixaremos isso para a próxima postagem.
Tenham uma boa semana!